Rede Globo e a Verdade Sobre o Impeachment de Collor e Agora de Dilma

- Saibam que, acompanhei profissionalmente em dezembro de
1992 a renuncia de Collor atuando na mídia e como tal sou 
testemunha da história. Não dessa que se conta popularmente,
mas da verdadeira estória, envolvendo o irmão mais velho de
Collor, Leopoldo Collor de Melo, então diretor na cúpula global
e de confiança do todo poderoso Roberto Marinho.
 
Havia muita "sobra de caixa dois" da campanha, administrada pelo
falecido Paulo César Farias, assassinado posteriormente.
Para Collor, não havia limites para se tornar poderoso, decidiu
convocar seu irmão Leopoldo e deu a ele a responsabilidade de
montar uma grande rede de TV e rádio.
A saída de Leopoldo foi, segundo jornalistas que atuaram na Globo,
tumultuada e uma grande briga com Roberto Marinho, coisa feia,
discussão e ameaças de, " vamos acabar com vocês (Collor) ".

O então presidente Collor, tentava comprar a rede Manchete,
na época com seis emissoras. Collor possuía a TV Gazeta e o jornal
do mesmo nome em Alagoas. Era repetidora da Globo.
A primeira ação dos Marinho, foi retirar a TV da rede. Por outro
lado a Globo, tentava melar a compra e sugeriu ao falecido
Orestes Quércia que a comprasse. Este alegou, não ter condições
financeiras.
 
Collor era o presidente e reagiu retirando as polpudas verbas do
governo e intimando grandes empresas a retirar a publicidade.
A Globo, contra atacou e começou a noticiar os desmandos e
corrupção no governo collorido. Políticos fiéis aos Marinho, eram
convocados para lhe dar apoio. Aparecer na Globo era e ainda é
uma grande ação de mídia.
 
A UNE, então inimiga global, começou a ter espaço na programação,
nasciam assim, os novos líderes, que se voltavam contra Collor.
Nasciam os " Caras Pintadas ", todo o apoio e incentivo nas ruas e
cobertura grandiosa. Não havia um programa que não os citassem.
Foi assim e o final da história todos conhecem, Collor caiu.

A corrupção, desvios da era "collorida" perto dos últimos doze anos
de governo petista, é dinheiro de picolé.
Hoje a Globo, lotada de propaganda governamental, faz a
contramão da história, omite-se, ignorando as manifestações em
todo o país, que mobilizaram mais de 300 mil pessoas.
Isto apenas o inicio. A tendência no próximo dia 15 de novembro
é de aumentar e muito.
Apenas a página do G1 na web, menciona Lobão com um diminuto
vídeo, focando apenas seu rosto e não mostrando as milhares de
pessoas á sua volta, no Masp em S. Paulo.
Como se fosse, apenas ele a se manifestar. Jornalisticamente
incorreto, mas agradável aos desgovernantes. 
Mas cometem um grande erro na sua estratégia servil, esqueceram
as redes sociais.
Neste FB e no Twitter, milhões de pessoas apoiam o impeachment
e criticam a platinada global.
Não bastasse o mal que fazem ás famílias, com suas novelas de
enredos infames, insultuosos, ignoram os seus próprios
tele-espectadores, que são consumidores dos produtos anunciados.
 
Que tal dar o troco, e na hora dos comerciais, desligarmos a tv
ou então mudar de canal. Outro troco, que tal combinar de boicotar
os anunciantes.
 
Senhores globais/ptralhistas, não subestimem o poder do povo,
nas ruas ou nas salas de nossas casas.
Vão desta vez ignorar os " Caras Pintadas " nascidos nas redes
sociais e não na telinha a serviço de comunistas bolivarianos ?
Bom pensar nisso.
Sou mais o meu povo nas ruas e nas redes sociais.
Sou mais Brasil de todos os bons e democratas brasileiros.
Deus é por nós. Viva a Pátria Livre.



-Ps.: Este texto pode ser copiado, desde que respeitem os direitos do autor, citando a fonte.Nisio Lemos, radialista e jornalista.